Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso websiteAo navegar com os cookies ativos consente a sua utiliza

Castelo Branco
terça-feira
27-06-2017
Céu Limpo
Máx: 27º
|Mín: 12º

PS questiona Governo sobre preços do gás de garrafa

01 Mar, 2017

Hortense Martins, deputada do PS pelo Círculo Eleitoral de Castelo Branco, subscreve a questão levantada pelo partido sobre os preços do gás de garrafa.

Os deputados socialistas na Assembleia da República referem, em nota enviada à nossa redação, que querem estabilidade nos preços de gás de garrafa e querem saber se a Autoridade da Concorrência já respondeu ao pedido de esclarecimento do Governo sobre esta matéria.

A questão consta de um requerimento, que é subscrito pela deputada Hortense Martins, Vice-Presidente da Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, que é endereçado ao gabinete do secretário de Estado da Energia. No documento, os socialistas recordam que o gás natural chega apenas a 25% da população nacional, localizada sobretudo em grandes centros urbanos. Nesse sentido, os deputados do PS lembram, assinalando que “este mercado apresenta diversas anomalias em relação a preços, nomeadamente em comparação com Espanha, além de uma enorme assimetria a nível regional”.

Hortense Martins afirma que é “nas zonas do Interior, onde a dependência deste tipo de energia é mais frequente” e recorda que “foi por decisão do Partido Socialista que a nossa região teve acesso ao Gás natural, numa tomada de posição a favor destas regiões, com menor densidade populacional, e desta forma contribuindo assim para dar mais condições a estas populações. Ainda assim, fora dos centros urbanos, há muitas pessoas que têm que recorrer ao gás de botija, sendo mesmo de uma enorme injustiça a diferença de preços existente”.

Os socialistas dizem ainda que face a estas evidências, em maio de 2016, o Governo solicitou esclarecimentos à Autoridade da Concorrência e, por isso, gostariam que o Governo esclarecesse se a Autoridade da Concorrência já respondeu e os termos dessas respostas.