Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso websiteAo navegar com os cookies ativos consente a sua utiliza

Castelo Branco
sexta-feira
20-10-2017
Chuva Fraca
Máx: 22º
|Mín: 15º

"Castelo Branco está a ser um núcleo forte de cultura"

27 Jul, 2017

“Castelo Branco está a ser um núcleo forte de cultura no interior [do país]”.

A afirmação é do Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, que inaugurou, esta terça-feira, 25 de julho, na cidade, o Centro de Interpretação do Bordado de Castelo Branco.

Um mercado que pode ser promovido “através da sofisticação que já tem esta arte das bordadeiras de Castelo Branco e que muito ganhará com esta rota”, afirmou o Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, que esteve na cidade albicastrense.

O governante revelou ainda que a inauguração deste espaço museológico é “mais um passo nesta rota, nesta arte de Castelo Branco – a arte do Bordado”.

Um equipamento que acaba assim de completar a rede de Museus do Bordado de Castelo Branco. Uma obra, que de acordo com o presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Luís Correia, mostra “a aposta que [a autarquia] tem estado a fazer naquilo que é a política cultural para a cidade”.

O autarca albicastrense, afirmou, no decorrer da cerimónia de inauguração, que “hoje a cultura em Castelo Branco, já nos ajuda a diferenciar e a chamar visitantes. Hoje a cultura está a ajudar a desempenhar o papel de desenvolvimento da comunidade, mas também cumpre um papel em termos turísticos”.

Luís Correia considerou que a inauguração do Centro de Interpretação do Bordado foi uma das peças importantes nessa matéria de desenvolvimento.

O circuito de museus, dedicado ao Bordado de Castelo Branco, ficou assim completo esta terça-feira, 25 de julho, com a inauguração do Centro de Interpretação do Bordado, localizado na antiga Biblioteca Municipal, no Largo de Camões.

A Rota dos Museus do Bordado de Castelo Branco tem início no Museu da Seda, passando agora pelo Centro de Interpretação, e termina no Museu Francisco Tavares Proença Júnior.

Patrícia Pinto |