Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso websiteAo navegar com os cookies ativos consente a sua utiliza

Castelo Branco
terça-feira
12-12-2017
Céu Limpo
Máx: 12º
|Mín: 0º

“Não é uma questão só de mulheres ou só de homens, sim da sociedade”

05 Dez, 2017

A Violência Contra as Mulheres “não é uma questão só de mulheres ou só de homens, sim da sociedade”.

A afirmação é da Secretária de Estado da Igualdade, Rosa Monteiro, durante uma iniciativa do Departamento Federativo das Mulheres Socialistas de Castelo Branco, que decorreu na Biblioteca Municipal, esta 2ªfeira, 4 de dezembro, inserida nas comemorações do Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, que se assinalou no passado dia 25 de novembro.

A governante considera que esta problemática tem que ser combatida de uma forma geral e não estratificada.

Rosa Monteiro afirmou ainda que para lutar contra este flagelo “é muito importante e decisivo” o trabalho em rede.

Durante a iniciativa foram dados exemplos do trabalho que é desenvolvido em Castelo Branco, pelas diversas instituições. Trabalho esse que deixou a Secretária de Estado bastante agradada.

Declarações à nossa rádio de Rosa Monteiro, Secretária de Estado da Igualdade, sobre a iniciativa que assinalou o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres.

A organização foi do Departamento Federativo das Mulheres Socialistas de Castelo Branco, em conjunto com a Federação do Partido Socialista de Castelo Branco.

A temática da violência, no geral, continua a estar na ordem do dia e por isso é importante falar deste assunto, como destacou Hortense Martins, presidente da Federação do Partido Socialista de Castelo Branco.

Hortense Martins, presidente da Federação do Partido Socialista de Castelo Branco, referiu ainda sobre a violência que “há um longo trabalho a fazer, não só nas famílias, em termos de educação, mas também a própria sociedade”.

Ricardo Pires Coelho |